Páginas

Visitantes

sábado, 11 de junho de 2011

Qual a aparência de Jesus?

Graça, Misericórdia e Paz!

Pouco se pode afirmar, com absoluta certeza, acerca da aparência de Jesus Cristo enquanto ser humano! A Bíblia fornece poucas informações sobre a aparência do Jesus Cristo humano! Até o momento, a ciência, a história e a arqueologia não nos trouxeram respostas exatas sobre a aparência física de Jesus. Quando se trata da aparência de Jesus, há muita especulação e pouca certeza.

Quanto ao jeito de se vestir, Jesus usava vestido (vestes, túnica), e isto é uma questão pacífica, podendo ser comprovado (que Jesus usava vestidos, vestes ou túnicas) pelo estudo dos antigos costumes judaicos e também pela Bíblia: “Chegando por detrás dele, tocou na orla do seu vestido, e logo estancou o fluxo do seu sangue.” Lucas 8.44 (...) “Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei.” Marcos 5.28.

Há outro aspecto da aparência de Jesus que não há muita discussão: a barba! Jesus era barbudo! A maioria dos judeus dos tempos de Jesus usavam barba crescida (principalmente os mais religiosos), isto é fato. A barba era sinal de respeito e a falta dela significava humilhação. A Lei de Moisés, que Jesus cumpriu, determinava que o homem não podia aparar (cortar, desfigurar ou danificar, dependendo da versão bíblica) as extremidades da barba: “Não cortareis o cabelo, arredondando os cantos da vossa cabeça, nem danificareis as extremidades da tua barba.” Levítico 19.27. Aém disto, a profecia messiânica revelava, antes de Jesus vir a este mundo, que a barba (ou os cabelos da face, dependendo da versão bíblica) do Messias (Jesus Cristo) seria puxada: “Ofereci minhas costas para aqueles que me batiam, meu rosto para aqueles que arrancavam minha barba; não escondi a face da zombaria e da cuspida.” Isaías 50.6

A questão do comprimento do cabelo de Jesus, todavia, é algo polêmico no meio da cristandade. Uns afirmam que Jesus tinha o cabelo bem curto, outros, que são maioria, afirmam que Jesus tinha o cabelo na altura dos ombros, cobrindo o pescoço.

A corrente de pensamento que afirma que o cabelo de Jesus era bem curto baseia-se principalmente em uma interpretação do que disse o Apóstolo Paulo na Primeira Carta que foi escrita aos Coríntios: “A própria natureza das coisas não lhes ensina que é uma desonra para o homem ter cabelo comprido,” 1 Coríntios 11.14 (a maioria das versões Bíblicas em Língua Portuguesa usa a palava "cabelo comprido", sendo que algumas poucas versões usam a palavra "cabelo crescido". Vale destacar ainda que no grego é utilizada a palavra κομᾷ, que literalmente significa cabelos longos). Os partidários desta corrente de pensamento afirmam que, se o Ap. Paulo disse aos Coríntios que era desonroso ao homem ter o cabelo comprido, Jesus certamente mantinha o cabelo bem curto. Esta corrente de pensamento afirma ainda que a única situação que se permitia a um homem judeu ter o cabelo comprido era quando se fazia o voto de Nazireu (não confundir com Nazareno, que são aqueles nascidos ou criados da cidade de Nazaré), e Jesus não era Nazireu de nascença e nunca teria feito voto de Nazireu.

A outra corrente de pensamento que afirma que Jesus tinha o cabelo um pouco maior, na altura dos ombros, cobrindo o pescoço, baseia-se em Levítico 19.27: “Não cortareis o cabelo, arredondando os cantos da vossa cabeça, nem danificareis as extremidades da tua barba.”. Esta segunda corrente de pensamento baseia-se também em indícios histórico-científicas, como o Santo Sudário (que é cientificamente polêmico), segundo o qual Jesus teria o cabelo na altura dos ombros. Esta corrente de pensamento baseia-se também nos costumes antigos, e, com relação à passagem bíblica de 1 Coríntios capítulo 11, esta segunda corrente de pensamento argumenta e interpretada da seguinte forma: 1) Na citada Carta de Paulo, não há uma proibição expressa quanto ao uso de cabelo comprido para os homens (ou curto para as mulheres), ou seja,  em nenhum momento é utilizada a palavra “pecado”, mas sim a palavra “desonra” (o conceito da palavra “honra” e do seu antônimo “desonra” varia de lugar para lugar e de tempos em tempos); 2) A citada Carta do Ap. Paulo foi enviada aos irmãos que moravam em Corinto, na Grécia, ou seja, foi enviada a um povo não judeu, com outros costumes e que possuíam um conceito de “honra” diferente do conceito judeu, por isto que Paulo teria escrito daquela forma; 3) Segundo esta segunda corrente de pensamento, 1 Coríntios 11 não define o alcance das palavras “comprido”, “crescido” e “curto”, ou seja, não é dito até que ponto ou medida um cabelo masculino pode ser considerado comprido ou longo; 4) Na antiga cultura judaica muitas mulheres tinham o cabelo bem comprido, um símbolo judaico da submissão a Deus e ao esposo, assim sendo, o citado versículo não estaria dizendo que o homem deveria cortar o cabelo bem curtinho, só estaria dizendo que, por uma questão de honra, o cabelo do homem deveria ser mais curto que o cabelo da mulher, que é comprido (p. ex.: se as mulheres judias geralmente deixavam o cabelo comprido, na altura da cintura ou mais comprido, o cabelo de Jesus e dos demais homens judeus poderia ser cortado na altura dos ombros, o que já seria másculo, honroso e bem diferente dos cabelos das mulheres judias, que eram longos - Assim, quando comparado a cabelos bem longos, um cabelo na altura dos ombros não pode ser considerado comprido ou crescido - por exemplo: você conhece uma mulher que sempre teve o cabelo bem comprido, e, um certo dia ela resolve cortar o cabelo na altura dos ombros, neste dia ela apresenta a você o novo visual e certamente você dirá que o cabelo dela agora é "curto"); 5) Esta corrente de pensamento argumenta ainda que o voto de Nazireu (conf. Números, cap. 6) foi estabelecido pelo próprio Deus aos judeus, e que Deus não iria estabelecer uma desonra na Bíblia; 6) Na Bíblia há homens de Deus com cabelo comprido (Ex.: Sansão, conf. Juízes 13.4-7, 16, 17 e o Profeta Samuel, conf. I Samuel 1.11), e eles não eram considerados desonrados por terem cabelo comprido;

Ultrapassada esta questão, certo é, pela Bíblia e pelos estudiosos, que o Jesus Cristo humano é diferente do belo Jesus dos filmes de Hollywood. Jesus andava bastante e pegava muito sol, e o sol envelhece a pele, então, Jesus possivelmente tinha a pele um pouco escurecida e envelhecida pelo sol. Pelos padrões físicos e fisionômicos dos homens judeus do século I, há muitas chances de Jesus ter sido um homem com olhos castanhos, cabelos escuros e ondulados e com a pele levemente morena. Jesus também não era muito alto e não era física ou fisionomicamente diferente das pessoas em sua volta, tanto que foi necessário Judas dar um beijo em Jesus para identificá-lo.

A Bíblia, na profecia messiânica proferida pelo Profeta Isaias, corrobora neste sentido, pois era previsto, antes do nascimento de Cristo, que ele seria um homem comum (sem beleza), trabalhador, sofrido e desprezado: “Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.” Isaias 53.2,3.

Temos que buscar a verdade, sempre! Assim sendo, no que tange à aparência de Jesus não podemos interpretar a Bíblia ao nosso bel prazer, de forma a justificar os nossos dogmas, os nossos costumes ocidentais atuais, a nossa cultura ou os nossos próprios usos e costumes. Há coisas que só a eternidade vai revelar, e, a menos que a ciência ou a história faça alguma descoberta, a verdadeira aparência do Jesus terreno só será revelada na Glória!

Particularmente, penso (com fundamento nas supracitadas referências bíblicas e com base nos indícios histórico-científicos) que Jesus era barbudo, másculo, tinha uma altura mediana e uma aparência normal (sem beleza), e, quanto à polêmica questão do cabelo, penso que Jesus cortava o cabelo (exceto as determinadas partes do cabelo que ele não poderia aparar, conforme estabelecido aos judeus em Levítico 19.27). No entanto, como o cabelo de Jesus crescia, penso que ele não ia ao “barbeiro” todo mês, ao contrário, penso que Jesus deixava o cabelo crescer até a altura dos ombros, quando então possivelmente ele cortava o cabelo novamente (exceto as partes do cabelo que ele não poderia cortar). Penso que um cabelo que cubra o pescoço, na altura dos ombros, não pode ser considerado tecnicamente "comprido" ou "longo". Penso ainda que quando Jesus iniciou o seu ministério ele buscava não desperdiçar o seu precioso tempo e não se preocupava muito com estas coisas materiais e passageiras, como o cabelo, a barba, a roupa e a aparência dele. Todavia, cumpre ressaltar que respeito as opiniões divergentes sobre a aparência de Jesus Cristo, pois, como já informei no início desta postagem, "quando se trata da aparência de Jesus, há muita especulação e pouca certeza".

Não obstante, amamos a Jesus Cristo do jeito que ele foi e do jeito que ele é, pouco importando a aparência terrena dele, se era magro ou fofinho, se tinha o cabelo curtinho ou na altura dos ombros, se tinha os olhos azuis ou castanhos, se era claro ou moreno, etc! E você, leitor? Você ama a Jesus independentemente da aparência terrena dele, ou você condiciona o seu amor a Jesus à aparência dele, ou seja, só “ama” a Jesus se Ele foi ou é esteticamente da forma que você imagina ou acredita?

A aparência terrena de Jesus pouco importa! O que realmente importa é o que Jesus pregou e o que Ele fez por mim e por ti na cruz do calvário, trazendo salvação eterna a nós que cremos nEle, que o amamos, que o aceitamos como nosso Único Salvador e que estamos esperando Ele voltar!

Quando Jesus Cristo ressuscitou, alguns dias depois ele subiu ao Céu, e, lá chegando, ele se tornou o “Cristo Glorificado”, que é Maravilhoso e bem diferente do Jesus Cristo humano, conforme descrito no livro de Apocalipse:

“Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta, Que dizia: Eu sou o Alfa e o Omega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia. E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.” Apocalipse 1.10-18.

Eu estou curioso para ver Jesus Cristo glorificado, muito diferente daquele Jesus Cristo que esteve nesta terra há cerca de dois mil anos atrás, e você?

Abraços! Que Deus nos abençoe!

Imagem (negativo fotográfico) do misterioso e polêmico   "Santo Sudário":

Quem quiser ver alguns vídeos sobre o Santo Sudário no youtube, segue abaixo os links de um  documentário interessante:

Nenhum comentário:

Postar um comentário